Quem me pariu

15 05 2007

Quem me pariu foi o ventre de navio
vindo de longe,longe…
d’onde tinha muita festa.

Trago como herança a alegria da lá
as cores fortes pra brilhar
a coragem de lutar,conquistar e firmar.

Meu cabelo pixaim
é pro nêgo se entranhar
e com uma flor enfeitar.

Olhos doce,mas bem abertos
pra não me enganar.

Nariz largo sim
que é pra sentir de longe
o perfume dos nossos corpos querendo se engraçar.

Minha boca grande
logo lança um sorriso
querendo a sua molhar.

Os seios fartos
é sinal de muito espaço
para os amados guardar.

Quadril avantajado
pra no samba quebrar.

E com calor, ritmo, cadencia, paixão
logo ali naquele chão
de barro pisado, os meus pés abençoados
irão dançar!

Tá ouvindo um som ecoá?
São os tambores a rufar
o samba já vai começa e
eu quero ser a primeira a entrar na roda.
Eu ouvi meu nome?
Nazaré? Nazaré!… o povo do samba chego!

Flávia Rosa

Flávia Rosa nasceu em são paulo é dançarina, atriz e poetisa negra, é integrante do Umoja, estudante de comunicação e artes do corpo tem seu trabalho ligado à pesquisa corporal e dramaturgica do negro.

Anúncios

Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: